Sabemos que estes são dias de transição moral e de crescimento espiritual do planeta. Há angústia e insatisfação gerando situações lamentáveis, enquanto a violência e a agressividade produzem medo, ansiedade e depressão. Surgem momentos em que supomos não mais poder suportar a situação desesperadora. Em todo o processo de crescimento surgem situações não esperadas. Nesses momentos necessitamos ter perseverança e fé.
Jesus disse aos apóstolos: “Se tivésseis fé do tamanho de um grão de mostarda, diríeis a essa montanha: Transporta-te daí para ali e ela se transportaria e nada vos seria impossível.” A fé, em Jesus, era a certeza do próprio poder, da perfeita sintonia com Deus, a Quem recorria, sempre que necessário, sabendo por antecipação dos resultados que seriam colhidos. A fé é a força que se irradia como energia operante e por isso consegue remover as montanhas das dificuldades, aplainar as arestas dos conflitos, minar as resistências que se opõem à marcha do progresso. O ser humano enfrenta os montes das dificuldades que se erguem à sua frente no mundo moderno. Só mediante à fé, estruturada na razão, na consciência livre de prejuízos de toda natureza, oferece a resistência para enfrentar os desafios destes momentos em que estamos vivenciando uma epidemia que assola o mundo. Face à proposta de Jesus, de que nada nos é impossível quando se crê, quando se tem fé, munidos desta energia, podemos vencer todos os obstáculos, assim nas pequenas, como nas grandes coisas. Junto à fé inata, devemos adicionar os valores da reflexão e da prece de modo a canalizarmos a inspiração superior que passa a constituir uma fonte geradora de preservação. Lembremos que Jesus comanda o destino da Terra e as soberanas Leis de Deus velam pela destinação gloriosa da Criação. A fé raciocinada, que nos propõe o Espiritismo, é a fé que se apoia nos fatos e na lógica e nenhuma dúvida nos deixa. Ninguém adquire essa fé sem ter passado pelas tribulações da dúvida, sem ter padecido as angústias que embaraçam o caminho. Muitos param em esmorecida indecisão. Feliz aquele que crê, sabe, vê e caminha firme. A criatura crê, porque tem certeza e ninguém tem certeza senão porque compreendeu. A fé então é profunda, inabalável, e habilita a superar os maiores obstáculos. Lembrando Kardec: “Fé inabalável só é aquela que pode encarar de frente a razão, em todas as épocas da Humanidade.”