Intrigada com a tendência do cérebro humano de enxergar o amanhã como uma grande promessa, a neurocientista Tali Sharot, da University College London, no Reino Unido, dedicou-se a compreender o fenômeno e descobriu que há uma certa dose de conveniência no nosso comportamento. “Não é que não pensemos em coisas ruins para o futuro, mas sim que nossos neurônios são eficientes ao armazenar as expectativas boas e falham ao incorporar informações ligadas às expectativas ruins” Pesquisas mostram que 80% das pessoas têm uma tendência natural para o comportamento positivo. E os impactos do otimismo, comprova a Ciência, vão bem além de sonhar com um futuro melhor. Ele aumenta a autoestima, facilita os relacionamentos, movimenta a economia e faz bem à saúde. “O otimismo nos faz assumir riscos e, com isso, avançar”, avalia o psiquiatra Irismar Reis de Oliveira, da Universidade Federal da Bahia. O americano Martin Seligman, pai da psicologia positiva, incomodado pela profusão dos estudos sobre doenças mentais na psicologia, se propôs a abandonar a patologia e pesquisar o lado bom da vida. Otimista nato, ele dedicou seus últimos 30 anos a enumerar os benefícios do comportamento positivo. Em suas pesquisas, os políticos otimistas ganham mais eleições, os estudantes otimistas têm melhores notas e os atletas otimistas vencem mais competições. É possível alterar o comportamento de uma pessoa para torná-la mais otimista, garante a psicologia positiva. Otimismo é crer que as situações ruins são temporárias. Antes de decretar que não vai dar certo, pense se não há alternativas menos aterrorizantes. Quem é otimista faz naturalmente esse movimento. O otimismo se aprende! É algo que se alimenta através de uma filosofia de vida positiva e da vivência real desta filosofia. É claro que existem diferenças de caráter individual que fazem de uns naturalmente otimistas, enquanto outros necessitam esforçar-se bastante para isso. A Doutrina Espírita, uma filosofia essencialmente otimista, nos explica que, na verdade, estas diferenças individuais são o resultado da soma das experiências adquiridas pelo Espírito ao longo de suas encarnações. Portanto, não confundamos o otimista como alguém que não faz nada para melhorar a sua situação mas aquele que, compreendendo as circunstâncias adversas reconhece que tem capacidade para melhorar a sua situação fazendo a sua parte.

Samira José Turconi