O livro de Humberto de Campos, “Brasil – Coração do Mundo, Pátria do Evangelho”, de 1938, trazido pelas mãos iluminadas de Chico Xavier, esclarece as origens da formação do Brasil. Os dados que o autor nos traz foram recolhidos através das falanges celestiais e amigas do mundo espiritual. Este trabalho se destina a explicar a missão da terra brasileira no mundo moderno. O Brasil não está somente destinado a suprir as necessidades materiais dos povos mais pobres do planeta através do título de “celeiro do mundo”, mas também a facultar ao mundo inteiro uma expressão consoladora de crença e de fé raciocinada e a ser o maior celeiro de claridades espirituais do orbe inteiro. Jesus transplantou da Palestina para a região do Cruzeiro do Sul a árvore magnânima do seu Evangelho a fim de que os seus rebentos delicados florescessem de novo, frutificando em obras de amor para todas as criaturas. O Brasil, em cuja intimidade fez nascer espíritos de várias culturas, de várias nações, construindo uma nação heterogênea, fortalecida na paz e na simplicidade dos benfeitores espirituais, aguarda o momento para estabelecer a sua verdadeira missão. A nação brasileira, muito rica em valores naturais, será o celeiro de recursos para os povos mais pobres do planeta e já é um celeiro imenso de riquezas espirituais. Através da revelação espírita que esclarece o ser humano sobre a sua origem, a sua natureza, o seu destino e o verdadeiro sentido da vida, afirmando que Deus, o criador do Universo, existe e que o homem é constituído de corpo e de espírito. Corpo perecível, espírito imortal. Vivendo duas expressões de uma mesma vida: a material e a espiritual, permitindo o intercâmbio entre os dois mundos, a continuidade da vida e do amor, a evolução através das reencarnações, a mais bela página da justiça que a humanidade conheceu, pois permite através das vidas sucessivas, a renovação de todos os valores, o resgate de todos os equívocos e o desenvolvimento do ser divino. Jesus ao envolver a terra brasileira em suas bênçãos, nestes dias tão difíceis pelos quais estamos passando, ajuda-nos a lembrar que, se o Brasil “é o coração do mundo”, somente será a “Pátria do Evangelho” se este Evangelho estiver sendo sentido e vivido por cada um de nós.